11 de maio de 2011

Para ser ouvida

Após o desabafo que fiz na semana passada minha caixa de e-mail lotou. Recebi vários e-mails, e confesso que fiquei feliz por de algum modo "ajudar" alguém.
Alguns e-mails eram de pessoas comentando que se identificaram com minha história, que enfrentaram situações parecidas.
Outros tinham o intuito de me parabenizar. Fui chamada de corajosa, transparente, honesta. Algumas pessoas se disseram impressionadas com minha capacidade de entrega (na verdade até eu fiquei depois que vi o texto pronto).
E ainda tiveram aqueles que me surpreenderam. Como? Algumas pessoas me escreveram verdadeiras confidências, profundos desabafos. Falaram de problemas, dores e feridas que fazem parte de suas vidas. A maioria pediu que eu divulgasse sua história aqui no blog, queriam ser ouvidas, compreendidas.
Não há data estipulada, mas divulgarei as histórias. As identidades serão preservadas.
Hoje apresento à vocês a história de *Alice.

"Fui uma adolescente normal. Magra e com espinhas. Não chamava tanto a atenção quanto algumas meninas da minha sala na escola, mas nunca me faltou pretendentes. Ficava com uns garotos aqui e ali (só pra explicar: ficar na minha época de adolescente era apenas se beijar e dar uns amassos, nada alem disso), mas namorado, sério mesmo, só namorei com um e que acabou se tornando meu marido.Como eu já disse no começo, sempre fui magra, pesava 52 kg para uma altura de 1,72 m, então dá pra você imaginar como eu era esbelta, rs.
Daí engravidei. Engordei horrores durante a gravidez, indo pesar 70 kg durante os 9 meses de gravidez. Nunca mais consegui voltar ao meu peso normal.
Meu marido, nunca falou nada, nunca reclamou de nada.
Eu me sentia incomodada com todo aquele sobrepeso e tentava fazer dietas. Emagreci algumas vezes, mas sempre voltava a engordar e ainda mais do que antes.
E foi assim, já bem fora do meu peso, que engravidei de novo. Aí foi que a porca torceu o rabo! Engordei ainda mais e acabei desistindo de emagrecer, afinal, estava na minha zona de conforto, ninguém me criticava.
Eu achava que minha obrigação a partir de agora era só cuidar dos meus filhos e fui me esquecendo cada vez mais.
Entre as duas vezes que engravidei já tinham se passado dez anos de casamento. Um casamento razoavelmente feliz. Digo “razoavelmente” porque sempre tem aquelas briguinhas bobas entre casais né? Aqueles probleminhas corriqueiros que a gente insiste em não deixar pra lá e acaba discutindo por causa deles.
Mas aí, mais 10 anos se passaram e aquilo que antes era um sobrepeso, se transformou numa obesidade.
Não sei quanto peso, não me olho no espelho, não me arrumo mais.
Há uns dois anos mais ou menos, aconteceu algo que me deixou assim, sem vontade de nada. Numa das discussões que tive com meu marido, ele me ofendeu como nunca alguém tinha me ofendido na vida. O homem que jurou me amar até a morte, me olhou nos olhos, em plena discussão e me disse: "Olha só o que você fez com você! Você é muito feia, gorda, desajeitada. Você não cuida nem de você, quem dirá de mim e das crianças. Estou te deixando, não aguento mais olhar pra você se destruindo..."
Aquilo pra mim foi um choque. Nunca imaginei que ele pensasse aquilo de mim! Como eu poderia imaginar uma coisa dessas? Ele nunca reclamou de nada!
E naquele momento, diante da iminente separação, me vi sem chão. Eu não podia ficar sem ele! Eu o amo! Minha vida sem ele não tem sentido e assim, me ajoelhei aos pés dele e pedi pra que não me abandonasse. Sim, eu fiz isso. Me humilhei diante dele porque achei que se a vida era ruim com ele, seria muito pior sem ele. Ele sentiu pena de mim, eu vi isso em seu olhar, e fez com que eu me levantasse. Disse que não iria me abandonar, mas só porque eu estava pedindo e ficou.
Mas de lá pra cá, apesar de dias depois ele ter pedido desculpas pelo que disse e se justificar dizendo que ficou nervoso na hora, eu nunca me esqueci das palavras dele. E nem da carga de veracidade que senti quando ele disse aquilo... Eu sei, aqui dentro de mim, que ele realmente acha tudo aquilo de mim e que só ficou comigo por pena.
Tem dias que eu levo tudo numa boa e chego quase a pensar que sou feliz, mas tem dias em que aquela sensação ruim volta e eu me entrego ao choro e ao desespero. Não tenho forças pra mudar isso, não tenho forças pra sair daqui e nem pra mudar minha vida.
Não sinto a mínima vontade de emagrecer. Pra que? Não sinto seu olhar de tesão por mim! Nossa vida sexual é normal pra um casal que está a 20 anos casado, mas eu não sinto que seja natural, entende? Me sinto feia e ele não melhora isso, pois nunca me elogia. Nunca consigo agradar...
E com o tempo, por nunca conseguir parecer melhor e mais bonita, não tento mais agradá-lo... E tudo vai ficando assim, sem perspectivas de mudança, de melhora.
Deixá-lo? Não me sinto forte pra isso, me acostumei a ser quase como um móvel da casa, desses que de vez em quando alguém vem e tira o pó, mas permanece lá, parado e sem brilho..."




Fico feliz em poder ajudar. Ajudando ao próximo eu me ajudo, eu cresço, evoluo como ser humano. Fazer o bem não tem preço.



* Nome fictício.


Fonte: Google Imagens

14 comentários:

  1. Bom dia Karine!

    O novo visual tá um arraso!!!

    Karine, quando a gente se abre para o mundo, o universo se abre para nós... Vc foi muito corajosa!

    Uma feliz quarta p/ vc.

    Beijãooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  2. De novo rsrsrs

    Hoje que dei uma geral e vi o post "Inspiração"

    Grata! pela delicadeza e carinho de sempre...

    Beijoooo

    ResponderExcluir
  3. Novamente rsrsrssr

    Parabéns pelos 100 SEGUIDORES!!! VAMOS FESTAR?

    ResponderExcluir
  4. Ah, Carine que triste o que nossa amiga está vivendo...
    Quantas Alices não existem por aí?
    Meninas acordem, enquanto é tempo a vida é boa demais para se passar em branco, eu não tenho uma experiência de rejeição mas de inversão de valores eu estava 30 quilos acima do peso e não me via obesa até entrar em uma loja e a vendedora me disse:não temos seu numero!
    Reavaliei como estava e saí humilhada juntando meus cacos.
    Hoje já eliminei 20 quilos faltam só 10 mas é uma delícia os elogios, as roupas novas... A sensualidade volta, o brilho no olhar!Meus projetos de vida, minha vontade isso ninguém toma, como disse não sofri baixa estima mas agradeço a vendedora que foi tão indelicada, graças a ela sou uma Angela repaginada! Bjobjo Angela.

    ResponderExcluir
  5. Acho incrível ouvir ou ler histórias da vida real, nos ensina muito, nos faz crescer, refletir e mudar em muitos aspectos. Mas ao mesmo tempo, é triste ver o sofrimento da outra pessoa e se sentir de mãos atadas. Mas espero que Alice reencontre a vontade de viver, de se cuidar, que ela se ame acima de todas as coisas, e que possa recomeçar sua vida, de forma plena. ;oD

    Beijos, Cá!

    ResponderExcluir
  6. Carine,
    1)parabéns por postar esse depoimento. É vendo a vida dos outros que refletimos sobre a nossa. Muito corajosa essa *Alice.
    2) Adorei o novo visual do blog. Está lindo.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  7. Uma história impressionante.
    Ela está precisando de uma boa sacudidela.
    Não pelo marido, mas por ela mesma.
    Poder se olhar no espelho e gostar do que está vendo.
    Pra isso não é preciso um grande milagre nem um regime extraordinário.
    É preciso uma dose de confiança em si mesma.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Menina acorda!!!!!Tem um mundo maravilhoso te esperando....se comparar a "móvel"nunca!!!pelo texto dá para perceber que é instruída,vc está pedindo SOCORRO, palavras de apoio via blog podem te dar FORÇA para que procure um terapeuta, reaja POR VOCÊ,E DEPOIS POR SUA FAMÍLIA....Abraços Mara Lúcia

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Que legal sua iniciativa de "ajudar " essas pessoas. Assim como vc disse, acho que crescemos e evoluimos com as histórias alheias.
    Agora força "Alice"!!! se você não se permitir mudar e encontrar um sentido na vida,por mais que nós as amigas tentemos, não conseguiremos ajudá-la. Tudo tem que partir de você.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Amigas,

    Dizem que o primeiro passo é reconhecer o problema. Talvez o próximo passo seja procurar ajuda profissional para conversar, sou adepta da terapia, tente isso. Parabéns por sua coragem, força sempre!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Vou dar um conselho pra *Alice.
    Alice* querida, a primeira coisa que voce tem que fazer é SE AMAR. Não importa quanto voce pesa, importa o quanto de amor voce tem no seu coração para com VOCE.
    No dia que voce aprender isso, independente do seu peso, as pessoas em volta vao te dar mais valor.
    Se a gordura te incomoda e voce nao consegue mais emagrecer (porque nem sempre é facil) se valorize em outras coisas. Cuide mais do cabelo, da pele, das unhas... e principalmente sinta-se bonita por dentro.
    Voce deve ter muitas qualidades porque todo mundo tem, assim como tem defeitos, mas evidencie as qualidades. Agora primeiro voce deve fazer isso pra voce, apenas pra voce e mais ninguem. E depois as pessoas irão notar.
    Sentir que alguem estar com voce apenas por pena é o pior dos sentimentos que uma pessoa pode ter e isso voce precisa mudar urgente.
    Ser gorda não é o fim do mundo apesar da midia mostrar que só é feliz quem é magra. Voce pode ser uma gorda charmosa, bonita, bem cuidada se voce aprender a SE AMAR.
    E eu to falando isso porque eu sou uma pessoa assim, que me amo apesar de tudo, apesar dos meus mil defeitos. Que me valorizo acima de tudo.
    Se alguem virar pra mim e falar que sou gorda, que sou feia, que tenho o cabelo ruim, que to velha...sei la...qualquer coisa pra me diminuir eu não vou ligar e ainda vou tirar sarro da pessoa.
    Então Aline* trabalha nisso querida, procure se amar que voce vera que tudo ao redor vai mudar.
    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Carine,

    Cê tá fazendo BULE nimim, porque minha foto não aparece???

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  13. Olá Carine, parabéns pelo blog, muito gostoso ler e ver as fotos maravilhosas.
    Estou te seguindo e estarei sempre por aqui.
    Bjks :)

    ResponderExcluir
  14. Oi Carine, não tinha visto o post da semana passada, acabei de ler.
    Quanto à Alice, bom, a Margaret já disse tudo!
    Bjs.

    ResponderExcluir