22 de julho de 2014

The Letter Writer

Adoro filmes e livros, são vícios. Sei que muitas das pessoas que conheço também gostam, então porque não usar o bloguito para falar sobre o que vi, li, se gostei ou não?
Um dos últimos filmes que assisti foi "The Letter Writer", na versão dublada é "Uma carta para você".


Esse era um daqueles filmes que a princípio vi em anúncios, mas não me interessei porque parecia chato, parecia triste, parecia chato e triste. Então, em uma dessas frias tardes de inverno, João Miguel cochilando, eu sentei no sofá com café e edredom e dei de cara com ele iniciando.
E ele prendeu minha atenção, me emocionou, fez chorar, fez pensar. E acabei revendo outras duas vezes.
Conta a história de Maggy, filha de pais separados, passando pela famosa crise da adolescência. 
Ela se sente rejeitada pelo pai que construiu uma nova família, possui uma relação conturbada com a mãe que cobra notas melhores na escola, melhor comportamento e não aprova sua banda musical. 
Maggy só pensa na banda - em ser uma cantora famosa- e no namorado.
Até que um dia recebe uma carta, de um desconhecido que parece conhecê-la. A carta mexe com a menina de tal forma que ela parte em busca de descobrir quem é o remetente. E o encontra em uma casa de repouso. 
Esse encontro muda toda a vida de Maggy, para sempre.
É um filme muito bonito, que reforça o quanto é bom espalharmos amor, o quanto faz bem dedicarmos boas palavras às pessoas. E que sempre podemos aprender com o outro, não importa a idade, as diferenças.
Faz bem, principalmente a nós mesmos, vermos o que de melhor as pessoas possuem, e as elogiarmos, incentivarmos, dispensarmos palavras gentis, afáveis.
E se cada um de nós fizer algo de bom pelo outro, uma vez ao dia que seja, o mundo pode ser melhor, mais fácil. Sem utopia.

Esse filme, os sentimentos que despertaram em mim me lembraram de coisas simples e extremamente positivas, carinhosas que podemos fazer para melhorar nosso dia e consequentemente o dia de alguém como um Pote de Memórias, que estou fazendo e explico aqui.
As cartas que Fernanda Reali escreveu para espalhar alegria, também inspirada em um filme.
E a campanha Espalhe Amor Por Aí da Divitae. Essa campanha é uma fofura.




"Lembre-se de fazer, pelo menos uma coisa todos os dias, que dê sentido à sua existência."

Imagens do We Heart It.                           

3 comentários:

  1. Ainn que fofo....gostei, vou procurar pra assistir!
    AMO filme e AMO livros!!!

    Bjos flor!

    ResponderExcluir
  2. Que lindo, Ca. Vou procurar para assistir.
    Como vc fala em filme e nessa amizade iniciada através de uma carta, vou te deixar uma sugestão:

    Mary e Max: Uma Amizade Diferente
    Uma história de amizade entre duas pessoas muito diferentes: Mary Dinkle, uma menina gordinha e solitária, de oito anos, que vive nos subúrbios de Melbourne, e Max Horovitz, um homem de 44 anos, obeso e judeu que vive com síndrome de asperger no caos de Nova York. Alcançando 20 anos e 2 continentes, a amizade de Mary e Max sobrevive muito além dos altos e baixos da vida. Mary e Max é exploram a amizade, o autismo, o alcoolismo, de onde vêm os bebês, a obesidade, a cleptomania, a diferença sexual, a confiança, diferenças religiosas e muito mais.

    É maravilhoso. Eu amo esse filme. Creio que vc tbm vai gostar. ;)

    Grande beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carine!
    Tudo é muito simples: Quem sente amor tem amor para doar e sabe, pelo menos, ser gentil com as pessoas. Como escrevi outro dia na fan page do Luz: "Viva feliz!! Viver triste dá muito trabalho!", o que pode ser trocado para "Viva com amor! Viver com ódio dá muito trabalho!" :D
    Beijus,

    ResponderExcluir